14 de jul de 2015

Entrevista Especial - Giovanni Augusto e a volta por cima

Fala Massa!! Esse ano voltamos com tudo. Além do Premio blog Galo de Prata, agora tem a volta das entrevistas. Estas que já foram realizadas com outros jovens jogadores de clube. Alguns se profissionalizaram, outro seguiram caminho fora do clube e um se tornou ídolo da torcida. Hoje é a vez de um jogador que teve um início de ano conturbado por causa de um imbróglio judicial, mas que hoje vive seu melhor momento no clube. 'Camisa 10' e dono do meio de campo, Giovanni vem crescendo de produção e levou o Galo a liderança do brasileirão. 

Confira o nosso bate papo com o atual camisa 14 do Galo. 


Você chegou ao Galo em 2008, e com um ano de clube já subiu para os profissionais. Acha que esse pouco tempo o prejudicou?

Pelo contrário. Acho que quanto mais cedo o jogador chega ao profissional mais ele vai aprender. E foi o que aconteceu comigo. Eu pude conviver com grandes jogadores e com certeza eu aprendi muitas coisas só de estar ali trabalhando com eles.

Quando você começou no Atlético tinha muito potencial. Acha que a saída do Luxemburgo foi o que fez com que você fosse emprestado?

A verdade que eu fui emprestado logo após o título do campeonato mineiro 2010,e o que me falaram foi que o Luxemburgo achou que eu deveria sair para pegar mais experiência e acabei acertando com o Náutico onde fiz uma série B muito boa.

Sobre as suas últimas temporadas jogando por outra equipe, o que você trouxe de aprendizado?

Sem dúvidas dar valor em tudo aquilo que o Atlético nos oferece para trabalharmos. Hoje eu afirmo que trabalho num dos melhores clubes do país e isso nos motiva ainda mais para todos os dias ir trabalhar com a maior alegria.

No ano passado você ficou conhecido no Brasil inteiro por marcar o primeiro gol da Arena Corinthians. O que mudou na sua carreira depois disso?

Foi um gol muito especial. O gol mais importante da minha vida até o momento. Com certeza fiquei mais conhecido e isso me trouxe confiança pra continuar trabalhando e buscando sempre realizar o meu sonho que é chegar na Seleção Brasileira.

Como é o relacionamento com os companheiros e com a comissão técnica do clube?

O melhor possível. Desde quando cheguei, no início do ano, todos me receberam muito bem. Mesmo tendo um imbróglio no clube nunca vi ninguém me tratar mal. Então posso falar que estou em casa e muito feliz.

Em meio ao imbróglio judicial, você chegou a conversar com o Maluf ou o Presidente sobre os motivos que o levaram a isso?

Conversei só com o Maluf.

Além da decisão judicial, o que te fez ficar e não ser emprestado, como por exemplo, ao Santos que demonstrou interesse em você esse ano ?

Muitas coisas me fizeram ficar. O momento que o clube se encontra hoje, que com certeza irá brigar por títulos em todos os campeonatos que for disputar. O grupo, que  é muito qualificado. São jogadores experientes e acostumados a vencer. A comissão técnica, que sempre me tratou muito bem, além da torcida, que sem dúvidas é uma das mais apaixonadas do mundo. Então posso afirmar que fiz a melhor escolha da minha vida e estou muito feliz por esse momento que estou vivendo no clube.

Imagem: Flickr oficial do clube


Logo após a decisão de continuar no Clube, você entrou na final do campeonato mineiro e pra muitos mudou a história do jogo. Qual influência, a confiança que o Levir vem demostrando teve para sua decisão?

Ele sempre conversou comigo no dia a dia e sempre me deu bons conselhos. Então isso me deixou bastante a vontade no clube e com confiança pra trabalhar. Quando surgiu a oportunidade de ajudar ele e o clube dei o máximo de mim e graças a Deus conseguimos ser campeões estaduais em 2015 e iniciar muito bem o Brasileiro.

Da sua primeira chance como profissional pra hoje, o Galo conquistou vários títulos. Pra você o que mudou dentro do clube?

Mudou muita coisa. Hoje o clube é reconhecido e respeitado mundialmente. O clube conquistou competições importante e sem dúvidas entra como favorito em qualquer competição que for disputar. Então o Atlético Mineiro é um dos melhores clube do Brasil na atualidade e tenho certeza que ainda vai crescer muito.

“Caiu no horto tá morto”, “Eu Acredito” e a Rua de fogo, são umas das expressões e maneiras da torcida apoiar o time. Qual a influência essas manifestações tiveram dentro de campo ?

Essa é uma marca registrada da torcida do Atlético e quando a massa começa a cantar ela nos faz acreditar no impossível e tirar forças de onde não temos. Sem falar que o time adversário hoje sente muito quando vem jogar no Horto porque sabe que vai enfrentar um caldeirão e uma das torcidas mais apaixonadas do mundo.

Por fim, deixe um recado pra massa que acompanha o blog. O que esperar do Giovanni?


O que eu posso falar é que a massa continue acreditando no meu trabalho porque raça e vontade de vencer não vão faltar. Vou fazer de tudo para continuar dando alegrias pra essa torcida que é maravilhosa. 



Confira o golaço marcado pelo Giovanni na vitória sobre o Sport na voz de pequetito, narrador da rádio globo. 


*Vídeo: youtube

0 comentários:

Postar um comentário