17 de ago de 2015

Galo 1x2 Chapecoense - Análise do jogo, jogadores e do primeiro turno alvinegro

No fim do primeiro turno as jogadas sem objetivo, cruzamentos e excesso de passes errados foram o retrato do Galo nos últimos do jogos. Jogando com o melhor disponível no momento o Galo até tentou dominar o jogo, mas parou nos erros individuais. Na frente não conseguia chutar ao gol e tinha um Guilherme desatento e pouco participativo. 

Até 30 minutos do primeiro tempo o adversário pouco assustou. E continuaria assim até que Dátolo recuou uma bola infantil do meio campo até a área onde um jogador adversário estaria amarrando as chuteiras. Para evitar o gol, Leonardo Silva desesperado fez uma falta para matar a jogada, mas o arbitro entendeu que seria para expulsão. Na dúvida, a regra diz que é sempre contra o Galo, ou a favor de um dos queridos da entidade que manda no futebol brasileiro. 

A partir da expulsão, o Galo com um a menos foi outro time. Com raiva, descontrolado e sem qualidade técnica nenhuma o Galo terminou o primeiro tempo sem chutar a gol. 

No segundo tempo foi mais do mesmo. Galo perdido em campo e indo pro abafa e tentando dar pressão, mas sem nenhum sucesso. Mas aos 20 minutos a sorte resolveu ajudar. Após escanteio, Pratto cabeceou e o goleiro fez bela defesa, mas a bola bateu no zagueiro adversário e voltou pra dentro do gol. O melhor ataque do campeonato, que não marcava um gol há 2 partidas inteiras ou 292 minutos, precisou da ajuda da zaga adversária para voltar a marcar. 

Após o gol o time adversário se propôs a atacar e colocou jogadores ofensivos, mas o Galo continuava a atuar sem um cérebro e não soube esperar a hora de atacar e defender, foi pra cima e Dodo até teve a chance de virar o jogo, mas uma pífia finalização na frente do gol impediu a virada atleticana. Após se mandar desesperadamente ao ataque e deixar a defesa aberta, o Galo levou o segundo gol quando Apodi ganhou na corrida, e dominou com o braço, mas coisas assim o juiz é incapaz de ver a favor do Galo e após dar dois dribles em Pedro Botelho, concluiu a gol e decretou o placar.

O elenco do Galo não é forte, e nunca foi. Tínhamos um elenco numeroso e caro, mas com peças caras que pouco acrescentavam como: Marion, André, Jô, Neto Berola e Jemerson. Talvez a maior perda tenha sido a saída do Maicosuel, que após um início de ano fraco, fez duas boas partidas antes de ser emprestado.

A diretoria do Galo prepara o ano de 2016, corre atrás de iniciar as obras do futuro estádio do Galo e já renovou com quase todo o time titular a permanência para no mínimo 2017. Ou seja, a diretoria do Galo trabalha visando um futuro de glórias, um futuro seguro e que brigaremos sempre por título. Mas na cabeça da imprensa barrista do eixo e dos torcedores por ela influenciados, o resultado tem que ser esse campeonato, mesmo que signifique 200 milhões em dívidas (como do outro lado da lagoa).

A diretoria, não esperava a liderança e nem jogar tão bem e regular como fizemos. Mas uma vez na liderança, cabia um esforço maior da direção para que ao menos brigássemos com mais algumas peças disponíveis. Patric e Maicosuel não precisavam sair do time e uma contratação a mais poderia ser feita para o ataque.

Mas na minha posição, só posso mesmo torcer. E como torcedor, após anos brigando pela zona de rebaixamento, não acho em hipótese nenhuma que um segundo lugar no Brasileiro seja demérito para alguém.

Victor (6,0): Sem culpa no gol sofrido de falta, mas faltou um algo mais do melhor goleiro do Brasil para que ao menos o segundo gol fosse evitado. 

Marcos Rocha (6,0): Mal tanto na marcação como no ataque. Marcos Rocha necessitará de muitas partidas para voltar a antiga forma.

Leo Silva (5,5): Apesar de não merecer a expulsão, Leo Silva fez uma falta de juvenil na entrada da área e deu margem para que a arbitragem agisse. 

Jemerson (6,5):  Manteve a pegada no segundo tempo e conseguiu evitar que o Galo sofresse outros gols.

Pedro Botelho (5,0): Pior disparado da partida, Pedro não conseguiu acertar nenhum cruzamento ou passe no ataque, e ainda foi facilmente batido pelo lateral adversário.

Rafael Carioca (6,5): Controlou bem o jogo pro Galo, mas não conseguiu fazer a diferença jogando sozinho no meio campo. 

Leandro Donizete (6,0): Até tentou ligar a bola ao ataque, mas não conseguiu ser eficiente. Marcou e ajudou a segurar o impeto do adversário.  

Guilherme (5,5):  Não apareceu pro jogo.

Datolo (5,5):  Jogando dessa vez aberto pela esquerda, mostrou que não pode atuar como homem de ponta e que joga apenas em uma posição no meio campo. Voltou nervoso ao time e fez com que todo o ataque caísse de produção.

Luan (6,5): Tentou, brigou e correu o máximo que pôde, mas sozinho com o Pratto no ataque ficou bastante isolado e acabou sem conseguir finalizar a gol.

Pratto (6,5): Lutou bastante e até sofreu um pênalti não marcado. Chutou e quase marcou no primeiro tempo. Após a expulsão sofreu com os cruzamentos errados dos companheiros. 



Imagem: Foto do vídeo (sportv.com)



Substitutos

Dodo (5,5): Entrou e deu velocidade ao time, mas perdeu um gol feito na frente do gol. Apesar desse lance, teve boa movimentação. 

Josué (6,0): Entrou para ajudar o Galo a manter a posse de bola e ajudar na marcação, mas não funcionou. 

Edcarlos (6,5): Segurou o adversário e fez cortes importantes, mas quando subiu ao ataque tentando ajudar, foi quando sofremos o segundo gol por falta de jogadores para cobrir o lateral. Mesmo assim entrou seguro.

0 comentários:

Postar um comentário